Blog

Nossa História

Nossa História na Linha do Tempo


Linha do tempo


Parada da Diversidade

Dezembro de 2014

Mães de vários estados se reúnem para atuar na defesa do direito dos filhos, filhas e filhes.

Junho de 2015

As mães passam a abrir a Parada da Diversidade em São Paulo com a intenção de prestigiar o evento e proteger os filhos LGBTQIA+. Desde então, as Mães pela Diversidade fazem a abertura da Parada em São Paulo e participam das paradas no Rio de Janeiro e em Salvador.

5 de outubro de 2017

O movimento se formaliza como Associação Mães pela Diversidade, entidade sem fins lucrativos, independente do Estado e dos partidos políticos.

18 de junho de 2018

Recebemos a “Salva de Prata”, honraria máxima concedida pela Câmara de Vereadores de São Paulo para pessoas ou grupos com reconhecida atuação na cidade. A Salva foi proposta pelo mandato da vereadora Sâmia Bomfim.

27 de dezembro de 2018

Mães pela Diversidade recebe o certificado de Entidade de Defesa dos Direitos Humanos do Estado de São Paulo – CEDHESP, instituído pelo Decreto Estadual nº 57.234/2011.

Adv. Paulo Iotti, o Min. Dias Toffoli e a mãe pela Diversidade Angela Moyses no dia da votação da criminalização da homofobia

13 de junho de 2019

Depois de intenso trabalho do advogado Paulo Iotti, o Supremo Tribunal Federal decide que a discriminação por orientação sexual e identidade de gênero passa a ser considerada um crime, com base na Lei 7716/1989. É aprovada a equiparação da homofobia e transfobia ao crime de racismo. Cada juiz do Supremo recebeu uma carta escrita pelas Mães antes da decisão.

Queremos contar também, a todos, que a pessoa LGBTI+ não é a única vítima da LGBTfobia. Nossas famílias são destroçadas quando um filho se entende e se assume! Na maioria das vezes a mãe é a personagem dessa história que precisa decidir entre o casamento e o filho, entre o filho LGBTfóbico e o filho LGBT! E, depois do casamento ruir e a família ser implodida, essas mães começam a ver a cobrança da sociedade que começa pelos seus próprios pais, irmãos, amigos, conhecidos! Quando elas chegam para nós, chegam com fobia social, depressão profunda, síndrome do pânico, ameaça de suicídio! Tudo isso fora o MEDO… O medo que permeia nossas vidas e a vida dos nossos filhos! Que crime nós cometemos? Que imposto deixamos de pagar? Que dever deixamos de cumprir? Qual o crime que nossos filhos cometeram para serem privados da proteção do estado? Amar? E nós, pais e famílias? Amá-los?

Trecho de texto que os juízes do Supremo Tribunal Federal receberam das Mães pela Diversidade por meio advogado Paulo Iotti

10 de dezembro de 2019

No Dia dos Direitos Humanos, recebemos o Prêmio Carolina Maria de Jesus na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro

https://www.facebook.com/MaespelaDiversidade/photos/a.950407741643984/3678429262175138/

12 de novembro de 2021

Junto com o Ministério Público de São Paulo, participamos da edição da Portaria IIRGD nº 57, que determina que a inclusão ou exclusão do nome social na carteira de identidade de menor de 18 anos será realizada mediante requerimento do interessado, em formulário próprio, desde que representado ou assistido por seu representante legal.

10 de dezembro de 2021

Mães pela Diversidade e Ministério Público de São Paulo firmam o Acordo de Cooperação Técnica nº 29/2021, com objetivo de permanente reflexão, diálogo, troca de informações e ações articuladas, conjuntas e estratégicas de combate às manifestações de ódio e de intolerância de caráter LGBTfóbico ou racista.

12 de dezembro de 2021

Recebemos o Prêmio Boas Práticas, em Sergipe, pelo Movimento Nacional ODS
https://www.facebook.com/MaespelaDiversidade/photos/a.950407741643984/7171490962868933/

29 de janeiro de 2022

Recebemos o Prêmio Claudia Wonder pela defesa dos direitos humanos.

https://www.facebook.com/page/601991656485596/search/?q=pr%C3%AAmio

10 de fevereiro de 2022

Mães pela Diversidade protocola representação junto ao MPSP de Mogi das Cruzes/SP, objetivando a apuração do fato ocorrido no dia 09 de fevereiro de 2022, na Escola Estadual Galdino Pinheiro Franco, no caso do desrespeito ao nome social e pronome de uma adolescente trans fortemente agredida por alunos.